quinta-feira, 28 de julho de 2011

Canção da liberdade



Ana Lúcia vivia dentro de casa, não saia para nada. Alegava cansaço, trabalhava demais e fim de semana era para descansar. Já perto dos 40 anos, Ana Lúcia pensava que seria um estorvo sair com as amigas. A maioria era casada e as outras tinham namorado. Só Ana Lúcia era só.  Não tinha nem família morando próximo para ela poder visitar.
Viveu casada durante muitos anos com um homem que dizia que lugar de mulher era dentro de casa e ela se acomodou a isso. Depois que o casamento acabou ela continuou a ser da maneira como estava acostumada. Assim ia levando...
Na verdade ela tinha medo de sair e de se expor, receio de comentários, vergonha de conversar com desconhecidos e falta de assunto para manter uma boa conversa. Já se achava velha para isso. Com casais não queria segurar vela e com amigas achava que não ficava bem. O que os outros vão pensar de mim, uma mulher separada solta por aí., eu hein?
Ana Lúcia era muito presa, travada e pudica. Via maldade em tudo.  
Um dia, depois de muita insistência, Ana Lúcia resolveu acompanhar uma amiga e o namorado a um barzinho em frente à praia. Foram a um show de um conhecido do casal.
Já era tarde e o vento que vinha do mar trazia muito frio. Ela que não bebia, resolveu tomar uma bebidinha para se esquentar, enquanto o casal dançava.
Estava distraída ouvindo a música quando um rapaz se aproximou e pediu licença para se sentar ao seu lado. Nem deu tempo para ela responder. 
Apresentando-se como amigo do músico e do casal, disse a Ana Lúcia que a estava observando desde que ela havia chegado e foi falando...falando...falando...
Ana Lúcia estava petrificada, não sei se de frio ou se de incômodo pela situação. Somente olhava para o rapaz, abanava a cabeça concordando com o que ele dizia e sorria.
De repente o rapaz segurou as suas mãos e começou a esfregá-las para esquentar. Ana Lúcia gostou do que estava sentindo, olhou para os lados e viu que ninguém a observava. Sentiu-se livre e jovem.
Minutos depois já estavam dançando. O rapaz foi se chegando mais, abraçando com suavidade e Ana Lúcia se deixou ficar. O músico cantava "Song of freedom". 
Quando Ana Lúcia voltou para casa, já não era a mesma.




2 comentários:

Paulo Francisco disse...

Um dia tudo muda, não é mesmo!?
Um abraço

Walkyria Rennó Suleiman disse...

ah, o que um bom carinho não faz né..... até a Jeca da Ana Lúcia se tocou.

já tamos de ti ti ti.
te respondi lá no blog.... pra saber, tem que ir lá. Comigo é assim ehehehheeh.
beijão procê