domingo, 6 de novembro de 2011

Sobre os 15 minutos



Faz 5 dias que eu não consigo escrever. Estou com o polegar da mão direita imobilizado por conta de uma luxação. Resquícios de trabalhar com digitação por mais de 15 anos. Imobilização, depois fisioterapia  e... conviver com isso. Vira e mexe volta. 
Aproveitei esses dias para cumprir o desafio proposto pela Juliana - reservar 15 minutos diários para cultivar o prazer e o bem estar. A esta altura de minha vida, eu tenho todo o tempo do mundo. Não trabalho mais, meus filhos estão criados, moro praticamente sozinha. Não tenho compromissos com nada e nem horários também. Precisaria desse desafio? Sim! Todos nós precisamos. A gente vai tocando a vida, achando que estamos fazendo o melhor e caímos na rotina. Mesmo na minha vida tranquila de-que-só-faço-o-que-eu-quero eu acabei estabelecendo uma rotina branca, aquela que a gente nem percebe que existe, mas ela está lá, controlando o nosso dia a dia camufladamente.
Resolvi fazer coisinhas bem simples, que tornaram esses meus dias melhores porque me deram momentos de felicidade. Como assar umas torradinhas com pasta de queijo minas e fatias de bacon, que eu adoro, arrumar a mesa, mesmo sendo só para mim e me permitir desfrutá-las tranquilamente. No outro dia, combinei com o meu filho de me levar ao shopping, como se fosse para resolver uma coisa minha e passeamos por algumas lojas até que paramos para escolher gravatas para ele. Eu gosto muito de presentear e, confesso, é um hábito egoísta. Ver a reação de quem recebe o presente e o seu olhar de alegria me deixam mais feliz do que a pessoa presenteada.
No terceiro dia eu fiz uma coisa inédita para mim: massagem no cabelo. Comprei um creme especial, tomei um banho demorado e lendo as instruções apliquei o tal produto e enquanto esperava, acendi um incenso e li uma revista. Eu tenho o cabelo muito fino e liso e extremamente oleoso. Costumo lavá-lo diariamente e nunca faço nada com ele. Apenas lavo e saio, seja lá para onde for. Mas nesse dia eu quis ficar bonita, merecia isso. O resultado não me surpreendeu muito, mas o cheirinho... que delícia.
Ontem foi uma travessura gastronômica, comi um pacote de bombom Sonho de Valsa, calmamente, sem avidez.  Hoje, como o dia estava chuvoso, tirei uma longa soneca em baixo do cobertor - coisa rara aqui pelos meus lados.
O que eu achei bacana dessa experiência, não é o fato do quê fazemos com esse tempinho diário, mas a predisposição de parar e decidir - o quê eu vou fazer por mim nos próximos 15 minutos? Não importa.
O importante é reservamos esse tempo para lembrarmos de não viver somente no piloto automático e não esquecer nunca - em momento algum - que merecemos ser muito felizes!

8 comentários:

✿ chica disse...

Que maravilha te ler!!!

E tocaste num tema TRI importante.: Nos dar tempinhos de alegria .

E eles podem vir dessas coisas pequenas que somadas, nos fazem muito bem!!! Adorei e vamos que vamos ser feliz sempre, não esquecendo também de NOS acarinhar. Precisamos!

beijos,lindo domingo e semana chica ( e fica bem com tua mão)

Juliana disse...

É, precisamos mesmo sair do automatismo e resgatar o sentido de cada pequeno ato, das mais simples coisas ao redor.

Adorei a parte das torradas, heim! Colocar a mesa para si mesma é um luxo!

Abraços!

Juliana

Severa Cabral(escritora) disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Amei tudo que li!
Que bom que vc está acordando devagarinho mas está e sem alarde,kkkkkkkk.Eu sou isso que vc citou.Já fiz de tudo para criar uma família.Agora estou na vida mansa fazendo tudo por prazere vivendo um dia de cada vez.Fazendo coisas que deixei de fazer minha vida inteira por ser voltada pelo trabalho.Hj trabalho por prazer,viajo por prazer e faço tudo por prazer.Até uma visita que fiz num navio arrecadei prazer,kkkkkkkkkkk.Passa lá no meu blog que comprovarás.
É minha querida !A vida é nós que construimos e vc está certa.Espero que sirva de lção para um monte de gente que está querendo mudar de vida.
Viva a vidaaaaaaaaaaaaaaa com amorrrrrrrrrrrrrr !!!!!!!!!!!!
bjsssssssssssss

Eloah disse...

Querida adorei.Identifiquei-me de imediato.Também moro sozinha e criei uma rotina diária e dela não me afasto.Tenho tempo demarcado.Chato!Teu texto foi um alerta fantástico.Vou tentar ser mais feliz neste tempo que está ai ao meu dispor.Começo agora!!! Bom domingo, felicidades sempre.Bjs Eloah

Célia disse...

MARAVILHA!! Depois de tanta luta na vida e pela vida nossa, dos filhos, do marido, do trabalho, da sobrevivência, enfim... poder darmo-nos esse tempo do ócio criativo! Isso é fantástico! Vivo essa bela fase em minha vida! Amo estar comigo! Seja feliz! Curta o seu tempo!
Abraço da Célia.

Christian V. Louis disse...

Muito interessante seu post, penso que morando ou não sozinhos, nós temos uma tendência de cair na rotina e não experimentar algo novo, mesmo que este algo novo seja coisas simples como as que citou.
E esta história aí de torradas com bacon abriu meu apetite. ahah.
Sei como está sendo difícil de digitar, mas somos teimosos demais. ahah.
A respeito da moderação de comentários que comentou no meu blogue, penso que cada qual faz as suas escolhas de acordo com o que acha certo, eu apenas não posso ficar controlando tudo e não posso me dar ao direito de receber ofensas gratuitamente por pensar de outra forma que alguns, então, para poupar meus leitores de tamanhas baixezas, eu optei pela moderação de comentários.
É claro que ela não é a solução para tudo, sempre vem um chato camuflado o qual você terá mesmo que lidar, mas a vida é assim e eles acham que estão afetando mas somente nos divertem. ahah.
Melhoras para nós dois, estamos precisando!
E nunca esqueça de fugir assim de sua rotina.

CEM PALAVRAS disse...

Chica, Juliana, Severa, Eloah e Célia,
Curti muito essa ideia. Do nada, você para e decide: - O que eu vou fazer por mim agora e que vai me dar alegria?
Para tudo o que estiver fazendo e cometa pequenas "travessuras". É muito bom, rssss
muitos beijos

CEM PALAVRAS disse...

Christian,
As tais torradinhas eram feitas na minha casa, quando criança. Me deu uma saudade e uma vontade de comê-las... São uma delícia! humhum
No mais, já corri pro seu blog.
Beijos