quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Metade - Oswaldo Montenegro




Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.
Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada

Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.
                                   E que a minha loucura seja perdoada
                                        Porque metade de mim é amor
                                            E a outra metade também.

12 comentários:

Mônica disse...

Qunta saudade! Por onde anda Oswaldo Montenegro?
E do meu tempo estas musicas, mas passaram.
com carinho Monica

FLOR DO LÁCIO disse...

Amo esse poema do Oswaldo.Abraços

Artes e escritas disse...

Um poeta de letra e música, bom demais! Um abraço, Yayá.

CEM PALAVRAS disse...

Moniquinha, minha querida.
Oswaldo Montenegro anda sumido mesmo, não é? Vez ou outra eu mato a saudade no youtube.
Muitos beijos pra você

CEM PALAVRAS disse...

Meu novo amigo, Flor do Lácio
Seja bem vindo. Entrei no seu blog e também comecei a segui-lo. Em breve farei uma leitura mais cuidadosa.
Abraços

CEM PALAVRAS disse...

Yayá,
Confesso que não gostava muito dele, nem sei o porquê. Mas suas letras e músicas são realmente são tudo de bom.
muitos beijos

* Verinha * disse...

Essa música é mesmo muito linda!

Beijinhos super em seu coração..
Verinha

Cissa Romeu disse...

Cem Palavras!
Que blog maravilhoso!
Fiquei SEM palavras!
E o primeiro post que vejo, Osvaldo Montenegro!
Linda música-poema. Um pouco disse e daquilo, não é mesmo?

Obrigada pelo comentário por lá, também estou seguindo seu blog, não poderia ser diferente, é muito bom mesmo! Espero mais visitas!!!

Abração!

CEM PALAVRAS disse...

Verinha,
Como sempre, presente.
muitos beijos

CEM PALAVRAS disse...

Cissa,
A admiração é recíproca. Gostei de cara! Vamos nos falar sempre.
beijos

Edu O. disse...

metade de mim é a loucura que completa a outra metade.

CEM PALAVRAS disse...

Edu,
vamos juntar a sua metade loucura com a minha metade sanidade e vice-versa?
Que dupla vai dar???
beijos